Chamada aberta para a roda de “Gêneros, sexualidades, anarquismo”

O Fórum anarquista aproxima-se do seu início e entre as rodas de conversa teremos a temática “Gêneros, sexualidades”. Felizmente, parece que o tema receberá o devido destaque, porque os grupos feministas e LGBTs vêm apontando insistentemente para a falta de coerência entre a reivindicação teórica e prática da anarquia e a permanência de um profundo sexismo.

naked_art-402x251

O sexismo se mantém nos seus “pequenos” e “grandes” atos. As denúncias são recorrentes. Centenas de casos já podem ter acontecido no passado, outras centenas ainda poderão acontecer. Sabemos muito bem, pela experiência que temos em nos manifestar, qual o poder da denúncia. Elas precisam continuar, pois em todos os campos que tratam de comportamentos arraigados não há sobressalto e solução imediata. Elas precisam fazer ver, com insistência constante, como “pequenos” atos são dolorosos, embora costumem não ser entendidos como tal, e como os “grandes” atos são inaceitáveis, nem deveriam sequer existir.

Diante da inúmera quantidade de casos sexistas, nós da LIGA nos propusemos a iniciar uma reflexão séria e profunda, pois sabemos que outros casos acontecerão e sentimos que precisamos enfrentar coletivamente o problema. As denúncias isoladas são fundamentais, mas são insuficientes para instituir uma nova prática de relacionamentos e a internalização de condutas igualitárias entre os sexos. Somos anarquistas e precisamos buscar, inclusive, soluções para o sexismo a partir da prática em perspectiva anárquica.

Alguns princípios precisam ficar muito claros: nenhuma opressão de caráter sexual é admissível e ponto. Sem poréns. A prática anárquica coerente não admite nenhuma atitude sexista, como também não admite o racismo, como não pode aceitar discriminações físicas, humilhações ou qualquer tipo de opressão em relação ao corpo ou idade. Sem concessões. Qualquer anarquista que medite seriamente sobre os textos que lê, as palavras que profere, chegará a essa mesma conclusão. Não há espaço para chacota.

Entretanto, entre a teoria e a prática há uma larga distância. Felizmente até, porque não é da conduta anárquica seguir uma tábua de mandamentos. É absolutamente necessário pensar nos próprios atos, pois a equidade, a liberdade, não serão alcançadas por decreto, nem mesmo por revolução, já que as práticas milenares arraigadas perdurarão. A Espanha precisou de suas Mujeres libres em 1936…

Quando se considerava em bloco a “classe operária”, “os trabalhadores”, “o proletariado” não aparecia o problema do “outro”. Não havia mulheres, homossexuais, como não havia, brancos nem negros, nem colonizados. As demandas de caráter étnico, racial e de gênero evidenciaram esses limites e trouxeram um problema que precisa ser reexaminado com muito mais insistência: o problema do comportamento desviante. Se fôssemos legalistas, partidários, bastaria criminalizar as “más” condutas, excluir os transgressores, enviá-los à prisão (ou à Sibéria), porém não o somos e resta o problema de como agir. Seremos juízes? Aplicaremos penas? Em que medida o ostracismo é ou não aceitável? Não esqueçamos, nenhum ato de sexismo é admissível!

Ainda que embrionariamente pensamos em alguns procedimentos de reflexão e integração da perspectiva de gênero dentro das ações gerais dos coletivos:

  • Estudar e integrar reflexões sobre feminismo e gênero em grupos de estudo e de discussão, daí a proposta de dar destaque ao tema no Fórum.

  • Dissociar “gênero” de “mulher”: não há visões neutras e outras, suplementares, femininas; todas as posições, ações e demandas são atravessadas pelo gênero. O gênero não é uma pauta exclusivamente feminista.

  • Ter sensibilidade para identificar problemas que normalmente ficam calados na vida privada entre pessoas. Conhecer ou perceber um comportamento fragilizado, de dependência ou de submissão e omitir-se é ser tão conivente com o sexismo quanto identificar um comportamento sexista e violento e não fazer nada.

  • A palavra é o primeiro meio para lidar com os problemas. Os coletivos precisam ser também um espaço de pedido de ajuda pessoal, sem chacota nem intimidação interna.

  • Igualmente, nenhuma intimidação para com o reconhecimento da parte da pessoa de um comportamento sexista, se essa mostra-se disposta a enfrentar os seus próprios arraigamentos culturais, pessoais, seja quem for.

  • Apoio mútuo e solidariedade para as vítimas: de ordem médica, psicológica, financeira etc.

  • Responsabilização, não punição. A pena não é uma prática anárquica. Penalidades que não têm qualquer relação com o erro cometido excluem a pessoa de lidar com as consequências dos seus próprios atos, livram-no da sua própria vergonha e a longo prazo exigem punições cada vez mais extremas, já que não lida com as causas dos problemas.

Como dissemos, tratam-se apenas de curtas propostas e ainda embrionárias para serem discutidas durante o Fórum, mas desejamos vivamente que a Roda de Conversa sobre gêneros e sexualidades estimule a realização de um encontro futuro especificamente para tratar do problema do sexismo. Infelizmente, anarquistas acordaram tarde para enfrentá-lo, como se o fato de sermos anarquistas, por si, nos eximisse de sua ocorrência. Precisamos de coragem para enfrentá-lo da forma mais anárquica possível: dialogando, chamando para a responsabilidade, encontrando soluções não julgadoras nem punitivas.

Anúncios
Esse post foi publicado em Gêneros e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s